O Messias

Perspectiva Histórica sobre performances do Messiah

George Frideric Handel escreveu o oratório Messiah no final do segundo semestre de 1741, quando seu futuro como um compositor estava em grande perigo. Os empreendimentos de ópera que ele iniciou, e que tinham prosperado por quase duas décadas, diminuíram em popularidade e estavam prestes a falir. Para conseguir pagar as contas, Handel começou a fazer oratórios, um gênero musicalmente relacionado à ópera mas sem encenação e figurinos. Mesmo com o oratório Messiah, Handel ainda estava tentando se estabelecer na área de oratórios. Ele havia escrito apenas algumas obras no gênero, algumas que (em especial Israel no Egito, de 1739) foram um fracasso no início. E o próprio oratório Messiah era um projeto de risco. Embora as plateias inglesas tenham aceitado Handel como seu compositor preferido por muitas décadas, essa admiração não garantia o sucesso da obra.

O maior problema era o tema do oratório. Um número de críticos e clero achava que o “entretenimento teatral” que tinha como base a vida e os ensinamentos de Jesus Cristo era desrespeitoso. Ainda mais controversa, a letra da obra Messiah foi tirada diretamente das escrituras, em uma coleção de Charles Jennens, um aristocrata e músico/poeta de talento modesto que havia trabalhado com Handel em alguns oratórios antigos. E ter cantores líricos e atores declamando as escrituras  em um teatro era, de acordo com algumas pessoas, uma blasfêmia. (Handel não podia vencer — quando a obra Messiah foi agendada para ser apresentada na Abadia de Westminster, outros membros do clero declararam que um entretenimento público em uma igreja consagrada era uma blasfêmia!)

No entanto, Jennens se superou com a obra Messiah, compilando um libreto com uma profunda coerência temática e uma sensibilidade aprimorada para a estrutura musical e dramática. Ele enviou o libreto para Handel em julho de 1741, e Handel começou a se estabelecer na música no mês seguinte. Excepcionalmente para Handel, ele começou pelo início dos textos e trabalhou neles sucessivamente, localizando e enfatizando por meio da música o arco dramático e poderoso que Jennens havia criado. Em alguns lugares, Handel pegou emprestado e modificou músicas que ele havia escrito em outras ocasiões, adaptandoas para os textos e para a estrutura da obra Messiah.

Handel terminou a partitura toda em apenas 24 dias. Romancistas entusiasmados em épocas posteriores diriam que essa rapidez era inspiração divina, embora Handel tivesse escrito outras obras de tamanho similar, de natureza mais secular, com a mesma rapidez. Ele era um compositor nato. Portanto, o milagre da composição Messiah não é sobre quão rápido Handel escreveu as músicas, mas quão inteligente, rica em detalhes e consistentemente poderosa é a obra.

A primeira apresentação do oratório Messiah aconteceu em Dublin, em 13 de  abril de 1742, e embora tenha sido um sucesso absoluto, a obra não teve a mesma recepção em Londres na temporada seguinte. Handel cancelou metade das seis apresentações agendadas e também cancelou a programação do oratório Messiah em 1744. Após um breve renascimento em 1745, o oratório Messiah não foi ouvido em Londres até 1749, em Covent Garden.

Mas foi um concerto beneficente ao meiodia na capela ainda não terminada do London Foundling Hospital naquele ano que ajudou o destino da obra Messiah mudar. Naquela ocasião, Handel terminou o concerto com o “Foundling Hospital Anthem” [Hino do hospital para órfãos], um conjunto de músicas que haviam sido recentemente escritas com trechos de algumas de suas antigas obras, inclusive o coro “Aleluia” completo da obra Messiah, que ainda era relativamente desconhecido entre as plateias de Londres. O concerto era tão popular que ele foi convidado a voltar no ano seguinte para reger outro concerto beneficente e em outra ocasião Handel decidiu apresentar o oratório completo.

Essa apresentação solidária da obra Messiah, em sua totalidade, no hospital, em 1750, foi um sucesso sem precedentes e uma segunda apresentação foi rapidamente programada para depois de duas semanas. As apresentações da obra Messiah na época da Páscoa continuaram acontecendo todos os anos no hospital, e Handel regeu ou participou de cada uma delas até sua morte em 1759. Em gratidão, ele doou ao hospital sua partitura e o conjunto completo das partes da apresentação da obra Messiah.

Handel havia originalmente escrito esse oratório com a intenção de melhorar sua própria fortuna que estava em declínio. Mas ele descobriu com as apresentações no hospital que a obra Messiah atingiu seu mais alto potencial quando realizada para o benefício daqueles com necessidades maiores que as dele: as viúvas, os enfermos, os órfãos e os pobres. O risco que ele corria ao escrever um “entretenimento teatral” sobre Jesus Cristo foi recompensado muitas vezes durante os séculos seguintes, quando a obra de arte de Handel foi universalmente chamada de “o oratório sagrado”, “uma obra consagrada pelo gênio e dedicada à causa sagrada da caridade”. O oratório Messiah tem ultimamente se tornado o meio para pôr em prática os próprios princípios de fé, esperança e amor expressados na sua letra sacra e música inspiradora. 

UMA QUESTÃO DE ESCALA

À medida que Handel escrevia o oratório Messiah, ele não tinha ideia de quantos cantores estariam disponíveis para ele. Para a estreia em Dublin, havia aproximadamente 30 cantores no coro que haviam sido treinados nas catedrais, acompanhados por uma orquestra do mesmo tamanho de instrumentos de cordas, sopro, trompetes e os tímpanos. Mas para aquele concerto em Dublin e todas as apresentações posteriores sob sua direção, Handel continuou revisando a partitura, personalizandoa para se adequar aos músicos disponíveis, ao passo que se dividia entre os custos da produção e a remuneração de cada cantor e instrumentista.

Donald Burrows — o principal estudioso de Handel de nossa época — propôs que a obra Messiah talvez nunca tenha sido apresentada da forma que Handel tinha originalmente planejado, pelo menos nunca durante a vida do compositor.

O que Handel teria “originalmente planejado” para a escala e instrumentação do oratório Messiah se nenhuma daquelas apresentações antigas representaram a visão dele? É uma pergunta difícil. Mas a história de 250 anos do oratório Messiah prova que independentemente do que Handel tenha imaginado, a própria obra se manteve extremamente bem, mesmo em meio a manipulações e à multiplicação, algumas vezes extraordinárias, de sua partitura original.

Em 1784, uma apresentação da obra Messiah foi encenada na Abadia de Westminster em Londres, no aniversário de 25 anos da morte de Handel. O coro naquela ocasião tinha aproximadamente 300 cantores, acompanhados por uma orquestra de tamanho correspondente. Nunca saberemos se Handel teria aprovado proporções tão grandiosas, mas ele certamente não era alguém que evitaria efeitos musicais marcantes e dramáticos em suas próprias obras quando as circunstâncias e o orçamento permitiam. Sua suíte de Música para os fogos de artifício reais de 1749, por exemplo, utilizou uma banda ao ar livre de mais de 50 instrumentos de sopro mais cordas — aproximadamente 100 músicos. As orquestras das óperas e oratórios de Handel cresceram, de forma consistente, à medida que ele adicionava instrumentos de sopro e os metais e multiplicava o número dos músicos de cordas para além do mínimo, sempre que podia. Até mesmo na partitura da obra Messiah, entre as passagens profundas no estilo de música de câmara, há partes como o coro “Aleluia” e “Digno é o cordeiro” que pedem tanta grandeza e espetáculo quanto possível, e as seções (em “Glória a Deus” e “Levantai a vossa cabeça”, por exemplo) em que o compositor deseja que tivesse dois corais à sua disposição. Talvez os principais fatores que impediram Handel de planejar a obra Messiah para um coro e uma orquestra de tamanho maior foram o custo, a dificuldade de reunir um conjunto de músicos na época e a falta de um espaço suficientemente grande para acomodálos.

Isso tudo mudaria em breve.

No começo do século 19, as condições estavam mais propícias para apresentações maiores da obra Messiah. O surgimento de sociedades de motivados coros amadores na Inglaterra, o enfoque do Romantismo em algo “sublime” e a reputação de favoritismo da obra Messiah naquela época em certos públicos garantiram que as apresentações fossem frequentemente encenadas em uma escala especialmente grandiosa. E não somente em Londres, onde o recentemente construído Exeter Hall era ocupado por grandes conjuntos e plateias, mas também nos festivais de coros em catedrais que aconteciam em York, Worcester, Gloucester, Hereford, Birmingham e outros locais em todo o país.

Para essas apresentações ambiciosamente proporcionais, a partitura barroca de Handel era simplesmente inadequada, e muitas novas edições tentaram acomodar o crescente gosto por amplitude. Em 1789, Mozart criou uma orquestração notavelmente mais rica da obra Messiah, adicionando os clássicos instrumentos de sopro e os metais ao conjunto, alterando profundamente a dinâmica e as articulações, e até mesmo mudando algumas notas e ritmos. O objetivo de Mozart certamente não era “melhorar” o que Handel havia originalmente produzido; certa vez, ele comentou que “Handel sabia, melhor do que ninguém, o que faria efeito”. Em vez disso, ele simplesmente esperava fazer um arranjo na obra de Handel em uma forma mais apropriada ao gosto e às expectativas do público vienense no final do século 18.

Os “acompanhamentos adicionais” de Mozart (como ficaram conhecidos) também possibilitaram as apresentações maiores que estavam se tornando um padrão na Inglaterra, no século 19. Com os instrumentos de sopro e os metais duplicando as partes do coro, centenas de coristas amadores podiam ouvir melhor suas notas na orquestra, e os instrumentos adicionais contribuíram com um peso maior e uma variedade de timbres do que poderiam ter alcançado ao simplesmente adicionar mais cordas.

No meio do século 19, as apresentações da obra Messiah ocasionalmente alcançaram proporções enormes. Nos festivais de Handel no Palácio de Cristal em Londres, começando em 1857, o coro tinha em torno de 4 mil cantores, com uma orquestra de aproximadamente 500, entretendo plateias de mais de 20 mil pessoas.  Essas apresentações exorbitantemente massivas usavam uma orquestração muito ampla sob a regência do primeiro maestro do Festival de Handel, Sir Michael Costa. Mas elas não necessariamente eram planejadas para ser a “melhor” forma de se apresentar a obra de arte de Handel. A maioria dos músicos do dia entendia perfeitamente bem as desvantagens de tentar apresentar em uma escala exagerada do Romantismo uma obra criada em estilo barroco. No entanto, havia outras considerações que, por um tempo, compensavam qualquer impulso de recriar  as proporções exatas e os sons da época de Handel. Os Festivais de Handel, por exemplo, eram planejados essencialmente para honrar a memória do “grande compositor saxônico” e celebrar sua cultura britânica, com apresentações de magnificência inédita — de fato, inigualável. (Como um crítico observou em um desses festivais: “Handel fez a Inglaterra ser musical, e a música fez Handel ser inglês”.) Os festivais menores de catedrais, por outro lado, com aproximadamente 100 músicos, tinham dois objetivos: melhorar todas as classes da sociedade por meio de exposição à boa arte e continuar a honrada tradição de apresentar a obra Messiah para arrecadar fundos para os pobres e viúvos. Quanto mais espetacular  a apresentação, e quanto mais pessoas envolvidas nela, maiores as chances de aqueles dois objetivos serem alcançados.

No final do século 19, alguns críticos da música começaram a publicar chamadas para o retorno da obra Messiah em um estilo verdadeiramente de Handel, indicando grandes mudanças em suas preferências. Uma publicação de uma cópia de 1868 de uma das partituras de Handel revelou algumas diferenças brutais entre o que Handel havia originalmente escrito e o que a tradição havia posteriormente estabelecido. Depois de tolerar outro Festival de Handel extravagante, em 1891, George Bernard Shaw ilustremente implorou para ouvir somente mais uma vez antes de morrer “uma apresentação exaustivamente estudada e completamente ensaiada da obra Messiah com um coro de 20 artistas capazes”.

As apresentações de coros menores como no estilo musical de câmara da obra Messiah de fato começaram a aparecer novamente no início do século 20, embora os grandes conjuntos ainda dominassem. Ebenezer Prout produziu uma edição muito utilizada (e depois muito nociva) do oratório Messiah em 1902 que foi criada para facilitar apresentações nos festivais feitas por esses corais e orquestras amadores e massivos. Mas Prout também propôs especificamente o retorno de alguns objetivos do século 18 originais de Handel, pelo menos tanto quanto as práticas musicais do final do século 19 e as limitações de apresentações amadoras permitissem. Ele cortou grande parte dos “acompanhamentos adicionais” de Mozart e defendia o uso de um piano, sempre que possível, para acompanhar a maioria dos recitativos (o cravo barroco já tinha desaparecido dos concertos havia muito tempo naquela época).

Durante o século 20, esse interesse crescente em práticas de apresentações barrocas com o objetivo explícito de produzir sons que o próprio Handel pudesse reconhecer, influenciou fundamentalmente as apresentações da obra Messiah. Nas últimas décadas, uma preferência muito grande tem sido a respeito dessas recriações “historicamente fundamentadas”, e as edições de Mozart e Prout têm sido muito rejeitadas como relíquias infelizes do passado, ou revividas como “obras de museu” de interesse histórico somente. Certamente um tempo revigorado, timbres promissores e texturas reduzidas do novo estilo “antigo” de apresentações foram uma revelação para as plateias que haviam herdado um legado de 200 anos de concertos solenes e épicos da obra Messiah.

Mas essas novas versões feitas por especialistas de música antiga por vezes pediam o tipo simples de pessoas leigas que haviam participado da obra Messiah durante a maior parte de sua história. À medida que o público descobria a vitalidade de cantar e tocar no estilo barroco, especialmente em gravações, eles também juntavamse em eventos de concertos da obra Messiah para cantarem juntos de forma ensaiada e amadora; dessa forma, o senso de comunidade, participação em grupo e fé compartilhada que tradicionalmente participava da obra ainda estava muito presente.

O que essa divisão atual demonstra é que não há simplesmente uma melhor maneira de apresentar o oratório Messiah de Handel. Durante o curso de sua história, a obra revelou uma variedade de forças potentes por meio de cada uma de suas tradições de apresentações distintas. A paleta emocionante do movimento de Música Antiga é agora uma parte integral da paisagem sonora da obra Messiah. No entanto, o poder sublime, a variação de volume e o poder emocional das orquestras modernas e grandes coros que mantiveram a reputação da obra Messiah por dois séculos também conquistaram um lugar permanente.

Pelo Dr. Luke Howard, professor associado de História da Música na Universidade Brigham Young.